03/12/2021 às 15h37min - Atualizada em 03/12/2021 às 15h37min

Autores confessos de assassinatos se entregam à polícia em Quatá e Tupã

Apresentações foram na quarta, 01/12, e na quinta, 02/12; crimes ocorreram, um por causa de ciúme e outro por causa de uma briga anterior

Nilton Mendonça
Redação Cidade Real
O 32 usado no crime em Tupã e o casal Kevin e Ana Karla: feminicídio ocorrido em Quatá (Policia Civil e Facebook)
 
Uma semana de registros de ocorrências graves, com pelo menos três mortes, com dois assassinos confessos presos, vai terminando na região de Tupã.
 
Além do acidente de trabalho que provocou a morte do operário de 43 anos de idade, Élcio Aparecido Correia Leme, em Tupã, na quarta-feira, 01/12 (quando uma empilhadeira manual tombou sobre a cabeça dele), outros dois casos de crimes a tiros, tiveram desfecho pela região.
 
Na quarta-feira, 01/12, Kevin Totti, de 19 anos, acusado de matar sua ex-companheira Ana Karla Pereira, de 23 anos, por ciúmes, em Quatá, se entregou, ao delegado Marcelo Petuba Llombert.
 
Kevin, que, por medida de segurança foi interrogado em Tupã, disse que decidiu se entregar com medo de morrer – uma vez que estaria sendo ameaçado de morte (mas a polícia não revelou proferidas por quem).
 
Ele será processado por crime de feminicídio, com as agravantes de requinte de crueldade e ser permitir a reação da vítima.
 
CRUELDADE
 
Ana Karla foi encontrada morta no domingo, 28/12, por uma amiga, que a procurou em casa, após retornar uma ligação de telefone celular da noite anterior e não ser atendida.
 
Não sendo também atendida ao chamar na porta de casa, a amiga entrou no quintal e percebeu a porta do fundo aberta; entrando na casa achou Ana Karla morta no quarto da residência.
 
Segundo a polícia técnica, ela foi assassinada com seis tiros, três deles no rosto, além de um golpe de faca no pescoço.
 
Desde o registro da ocorrência, Kevin, que é pai de uma menina de nove meses com Ana Karla, passou a ser procurado como suspeito do crime; Ana já era mãe de criança de cinco anos, fruto de outro relacionamento.
 
RUA GARÇA
 
Em Tupã, conforme o Cidade Real antecipou em absoluta primeira mão, às 9h30 desta quinta-feira, 02/12, se apresentou à Polícia Civil, o autor do crime de morte a tiros contra Clayton Cipriano Domingues Junior, de 18 anos, ocorrido por volta das 14h30 do dia anterior na Vila Indústria, zona Sul da cidade.
 
O trabalhador de ‘serviços gerais’, de 24 anos de idade, iniciais do nome T.G.M.B.S., se entregou em companhia de seu advogado, após ser previamente identificado pela Polícia Civil.
 
E confirmou que o crime teve como origem uma briga entre ele e Clayton no sábado, 27/11, na qual o ‘assassino confesso’ levou a pior, precisando inclusive de atendimento médico e internação hospitalar.
 
Conforme a Polícia Civil, o rapaz alegou que após a briga, ele, seus familiares e até amigos mais próximos passaram a ser ameaçados, por isso na quarta-feira saiu de casa para conversar com Clayton na posse de um revólver calibre 32.
 
E no calor de um novo entrevero, disparou um único tiro, acertando, segundo dados preliminares da perícia, o coração, o pulmão e a cervical de Clayton.
 
A versão do acusado não bate com dados coletados no local por fontes do Cidade Real, segundo as quais, Clayton estaria pela calçada da avenida Inglaterra, momento em que o assassino desembarcou de um carro preto e atirou sem falar nada.
 
A vítima do tiro ainda conseguiu correr até a calçada do numeral 139 da rua Garça, na mesma Vila Indústria, onde tombou, e apesar de ser lavado ao Pronto Socorro da Santa Casa, faleceu.

Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »