25/02/2022 às 19h12min - Atualizada em 25/02/2022 às 19h12min

Vereadores denunciam suposto favorecimento a ‘terceiros’ na entrega de terra com uso de máquinas da Prefeitura

Na grave denúncia feita na noite quarta-feira, 23/02, Coquinho e Renata Parnaíba desmentiram boato sobre criação de Lei proibindo atendimento à população

Nilton Mendonça
Redação Cidade Real
Coquinho e Renata Parnaíba, em print da Live, que está disponível no Face da Vereadora
 
Uma grave denúncia de favorecimento ‘a terceiros’ com uso de máquina da Prefeitura, no serviço de entrega de terra em Herculândia, foi feita na noite da última quarta-feira, 23/02 pelos vereadores Carlos Alberto dos Santos, o Coquinho (PSDB) e Renata Parnaíba da Silva (PP), respectivamente presidente e 1ª secretária da Câmara local.
 
Os vereadores, eleitos pelos partidos, na ordem, do vice-prefeito Tião Barraca e do prefeito Paulinho, usaram uma Live no Facebook, inicialmente para denunciar que estão sendo vítima de um processo de difamação e chamaram de “mentira” a informação esparramada na cidade, de que eles teriam aprovado na Câmara uma Lei que proíbe a entrega de terra para a população.
 
“É tudo mentira... Não existe lei nenhuma que fizemos para proibir a terra para quem precisa, um buraco para ser tapado pela máquina. O que temos feito é fiscalizado que o atendimento seja igual para todos”, disse Coquinho, em tom de desabafo.
 
“Estamos aqui para falar o que mais a população reclama. Quanta vezes você precisa de um caminhão de terra, liga e o chefe não atende. Agora vem com palhaçada falar que os vereadores estão no pé.... Jamais nós vamos proibir de uma máquina ou um caminhão de terra para uma pessoa que precisa... O que eu não concordo mesmo e bato o pé e afirmo... que eu não aceito é nossa terra sendo explorada, sendo vendida em mão de terceiros e usando a nossa máquina. As vezes tem aquele coitado que está levantando o alicerce da casa dele, pede dois caminhões de terra e não pode ser atendido. Aí vem um terceiro, vem na Prefeitura, paga uma hora de máquina e fica o dia todo puxando terra, vendendo a nossa terra e usando nosso maquinário. Isso eu não concordo. Sou contra e vou ficar fiscalizando mesmo. Porque nossas estradas estão mal-acabadas, com buracos e ao invés dessas máquinas ficarem o dia inteiro carregando terra para terceiros... Por que não está nas áreas rurais, onde passam os ônibus escolares”?

Coquinho e Renata também questionaram a diferença de agilidade no atendimento aos pedidos de terra da população, quando feito na Prefeitura e quando feito pelo ‘terceiro’: “Porque o maquinário é nosso, a terra é nossa. Qual a explicação”.
 
PELA METADE
 
Renata Parnaíba lembrou durante a Live, que em outubro, fez Requerimento de informações (Veja nas imagens abaixo) sobre o funcionamento do serviço, justamente, segundo ela, por não conhecer o funcionamento e poder informar a população. “Eu não domino o assunto, mas isso não significa que eu não possa fiscalizar e procurar informações sobre o assunto”, disse ela.
 
Segundo a vereadora, uma das dúvidas da população era saber porque quando se faz o pedido na Prefeitura demora para entregar e quando se compra do terceiro a entrega é bem mais rápida, e porque o trabalho de abastecimento dos caminhões com terra, é feito com máquinas da Prefeitura.
 
Ela disse que das 18 questões colocadas no requerimento, “ele me respondeu algumas”.
 
A Prefeitura não informou por exemplo, quando de combustível a frota do serviço de terra consome; quantas entregas foram feitas desde o início do mandato; como é definido o custo de venda de terra e horas de máquina; quais os gastos de manutenção da frota e a separação do que é gasto com as máquinas para o atendimento direto a população e para terceiros.
 
Outro episódio ‘estranho’ referente ao serviço de terra, segundo Renata, está relacionada a microempresas (MEIS) que abertas em setembro de 2021 para aluguel de caminhões para a Prefeitura. “Inclusive, informo a população que após meu requerimento, essa MEI não prestou mais serviço para a Prefeitura” de transporte de terra para uso do Almoxarifado... foram diárias de aluguel de um caminhão”.
 
DA POPULAÇÃO
 
Os dois vereadores também reclamaram que pessoa, as vezes prejudicadas pelo ‘sistema de trabalho atual’, não têm a devida coragem de denunciar publicamente.
 
“Você que está sendo prejudicado tem que se indignar, dar a cara a tapa. Filma, fotografa, grava, posta nas redes sociais, defenda seus direitos. Por que só falar não adianta. Nós não temos poderes para mandar em funcionário ou proibir esse ou aquele serviço, mas é dever de todos denunciar com responsabilidade, não para prejudicar esse ou aquele e sim para fazer justiça. Infelizmente algumas vezes reclamante e até servidores compactuam com coisas erradas”, cobrou Renata.
 
“Se você está prejudicado, não foi atendido, pode ligar, passar um Zap, nos procurar, porque nós vamos continuar fiscalizando e exigindo que o atendimento seja igual para todos. E repito: esse boato de Lei que proíbe e mentira de quem não é honesto no atendimento à população de Herculândia. Tem casos de pessoas que esperam a terra mais de 10 e caminhão de terceiro para baixo e para cima, para lá e pra cá. Qual é a explicação“?, reiterou Coquinho.
 
OUTROS VEREADORES
 
O presidente da Câmara de Herculândia afirmou ainda que antes do desabafo da Live da quarta-feira, esteve no gabinete da Prefeitura muitas vezes, além dele os vereadores Marcos Sanches, Levi Palomo e Dra. Silvana: “Se não pode chegar a sua terra, onde está a máquina? Onde está o caminhão que não leva terra? Por que as estradas nossas não está fazendo. Está utilizando onde?
 
Coquinho citou ainda o nome do ex-vereador Caio, que dou terra de uma área de sua propriedade: “O Caio doou uma terra lá, para tirar. Eu não vi um caminhão da Prefeitura lá tirando a terra dele. Mas a máquina da Prefeitura estava lá, trabalhando”, denunciou, acrescentando: “Eu fiquei mais de 60 dias esperando dois caminhões de terra para levar no Marco Oito, que a caixa d’água estava caindo e não ia. Esses dias precisou de novo e eu ligue novamente; mais de uma semana para o caminhão de terra ir lá”.
 
O presidente da Câmara afirmou que no ano passado, nas primeiras manifestações de fiscalização da Câmara, um caminhão pela Prefeitura alugado chegou pela a ser pago a R$ 800 por dia. “Não possível isso... Nós vamos continuar fiscalizando”, explicando que a preocupação é “com quem precisa e não tem condições de pagar”.
 
Coquinho encerrou a Live denunciando também casos onde, a pessoa contratante paga por dois ou três caminhões de terra e recebe muito mais. “Vamos continuar fiscaliza, para que todo herculandense seja atendido com o mesmo respeito, sem favorecimento”, finalizou.
 
ASSISTA ÍNTEGRA DA DENÚNCIA NO LINK ABAIXO
https://www.facebook.com/rparnaiba/videos/1134275543975674

A presente reportagem já foi encaminhada ao prefeito Paulinho e sua assessoria para manifestação.
Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »