02/08/2022 às 16h31min - Atualizada em 02/08/2022 às 16h31min

Após dar à luz, menina de 12 anos acusa o padrasto de estupro

Mãe da menor disse que não percebeu nenhuma mudança de comportamento da filha; acusado foi detido, ouvido e liberado

Com dados do G1
Redação Cidade Real
Imagem meramente ilustrativa (arquivo)
 
A Polícia Civil da Altair, cidade de pouco mais de 4 mil habitantes, na região de São José do Rio Preto (SP), instaurou inquérito para apurar mais um crime sexual incomum.
 
Uma menina de 12 anos de idade fez, à sua mãe, uma revelação inusitada, logo após dar à luz a um menino, na manhã de domingo, 31/08.
 
Segundo registro policial, assim que embarcou em uma ambulância do Serviço Móvel de Urgência e Emergência (Samu) para ser levada à Unidade de Pronto Atendimento (UPA) de Olímpia, ela contou que o pai da criança era o padrasto, convivente de sua mãe.
 
No trajeto, a menor teria contado à mãe que o filho gerado por ela era do seu padrasto, e que as relações sexuais forçadas, entre eles aconteciam desde o mês de fevereiro de 2021.
 
A menina também teria relatado que os abusos eram constantes, e que o padrasto utilizava de força física para cometê-los.
 
SEM NOTAR?
 
Ainda conforme o registro policial, a mulher disse que não percebeu nenhuma mudança no comportamento da filha que pudesse indicar a ocorrência dos abusos ou da gravidez.
 
O padrasto da menina, acusado dos abusos, foi detido e levado à Delegacia, onde foi ouvido e liberado.
 
Um exame de DNA, de compatibilidade entre o recém-nascido e o acusado, deve ser a primeira a providência da Polícia Civil na apuração da denúncia.

Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »